Blog

Mercado imobiliário impulsiona a retomada econômica do País


Mesmo em meio à pandemia do novo Coronavírus, o mercado imobiliário é um dos setores que está mais está aquecido, sendo um dos principais setores condutores da retomada econômica do Brasil.
De acordo com os dados do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), no mês de julho, o volume de financiamento imobiliário atingiu R$ 9,27 bilhões.
O crescimento de 30% comparado ao mês de maio e de 53% em relação ao mesmo período de 2019, aponta que o setor está em crescimento e, conforme dados divulgados pela Associação das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), julho foi o melhor mês de compra e venda de imóveis, desde janeiro de 2015.

Estes números demonstram que os brasileiros estão investindo em imóveis mesmo durante a pandemia por se tratar de um investimento seguro e com os menores juros da história.
A taxa Selic atingiu um dos níveis mais baixos da história, chegando a 2%. As baixas taxas, linhas de crédito favoráveis e bons preços são os fatores que têm contribuído para o mercado imobiliário e consumidores.

Outro ponto relevante é que com a recuperação do setor, tanto a geração quanto a manutenção de milhões de empregos tiveram um considerável aumento no período.
Dessa forma, o ramo imobiliário tem fundamental importância para o crescimento do Brasil, em especial nesse momento de crise.

 

As novas tendências do mercado

Com as medidas de isolamento social e as pessoas cada vez mais tempo em casa, algumas características dos imóveis passaram a ser valorizadas.
A tendência de conforto fez com que o tamanho da residência seja levado em consideração, assim como a existência de espaços versáteis, abertos ou varandas. A existência de áreas de lazer e esportes também tem sido alvo por quem busca por comodidade.
Segundo a ABRAINC, Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias, cerca de 10% das pessoas que antes buscavam por apartamentos, agora optam por casa. Outros 20% acreditam que a pandemia interferiu na quantidade de cômodos.
Se antes a tendência era a busca pelo valor, diminuindo no espaço, hoje a busca é pelo conforto e bem-estar.

Outro aspecto que pode mudar o mercado imobiliário é o aumento de trabalho em home office, que faz com que as pessoas não sintam mais a necessidade de morar perto dos locais de trabalho e possam comprar imóveis mais afastados dos centros urbanos.

Desenvolvimento e inovações tecnológicas

O uso de tecnologias cada vez mais refinadas para atrair clientes é uma tendência crescente no segmento. Essa é uma forma de revolucionar as negociações, construções e garantir toda a comodidade possível para quem busca o sonho da casa própria.
Do interesse à entrega, é possível realizar grande parte do processo de compra e acompanhamento da obra online.
Ainda existem pequenas burocracias mas, a força do momento fez com que o processo de digitalização da compra de um imóvel se torne mais prático. Com a recente aceitação da assinatura digital nos processos de compra e cartoriais, acompanhamos de perto uma era de modernização e de facilidades no setor imobiliário.

 

Futuro otimista?

Com tantos aspectos positivos, o futuro se mostra promissor tanto para o mercado imobiliário quanto para o comprador.
A certeza concreta é a de que todas as características necessárias para a continuidade deste crescimento existem e estão em alta. Demanda, capacidade técnica, taxas atrativas fazem com que o setor continue em movimento e o que se espera é que o cenário de melhora continue nos próximos meses.

 

Mercado imobiliário impulsiona a retomada econômica do País
Rolar para o topo